ArquiteturaCulturaHistóriaPatrimônio Historico e Cultural

Solar da Marquesa de Santos em São Paulo

Nenhum comentário

Pensando em residências ícones de São Paulo, não se pode esquecer da casa onde morou a Marquesa de Santos, Domitila de Castro Canto e Melo, que ficou famosa por ter sido amante de D.Pedro I.

O Solar da Marquesa é um exemplar único dos modos de morar na cidade no século XVIII, mas ao longo de sua existência sobreviveu à diversas mudanças.

Não se sabe com certeza o ano de sua criação, mas fontes registram que entre 1730 e 1754, havia naquela área um conjunto de casas, cuja a junção de duas deu origem à residência. Sua famosa dona só compraria o imóvel em 1834, transformando-o em um verdadeiro point na sociedade paulistana, com diversas festas, banquetes, saraus…

O cenário muda quando o imóvel é comprado pela Mitra Diocesana de São Paulo, realizando diversas alterações, como a inclusão de uma capela e a pintura das paredes internas, que seriam muito obscenas na visão do novo proprietário. Acredita-se que seja desse período a transformação também da fachada, que adquire elementos neoclássicos.

Novo dono, novas mudanças. Em 1909 a empresa The São Paulo Gaz Company adquire o imóvel e decide demolir algumas paredes de taipa e construir anexos, que aumentaram significativamente o tamanho da propriedade. 

É somente nos anos 60 que o imóvel chega às mãos do poder público, sendo anos depois a sede da Secretaria da Cultura. Porém, as diversas intervenções impossibilitaram uma reforma nos anos 90, tornando impossível selecionar apenas um estágio construtivo do imóvel.

Optou-se por destacar os diversos períodos dos quais a casa é testemunha, como vestígios de calçada do séc XVIII, o térreo amplo como exemplo da demolição das paredes e paredes de taipa de pilão e pau a pique do séc XVII no piso superior.

Apesar de ter pertencido a diversos donos, o Solar sempre será associado no imaginário popular à Marquesa. Uma das peças em exposição no térreo é uma banheira, que muitas vezes leva as pessoas a imaginarem cenas de romance entre “Titília e o Demonão” (apelidos usados pelo próprio casal). Mas é muito importante relembrar que Domitila comprou o imóvel após o término de seu relacionamento com o imperador. Ou seja, eles não tiveram seus encontros amorosos naqueles cômodos. 

Hoje o solar pertence ao Museu da Cidade de São Paulo, que gratuitamente, oferece diversas exposições. Muito bem localizado, o Solar da Marquesa definitivamente é um dos lugares que devem ser visitados em um passeio pelo centro.

Posts relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

A Igreja da Boa Morte
Uma viagem ao Japão sem sair de São Paulo!

Posts recentes

Menu