Curiosidade

O Bairro Pacaembú vai muito além de um estádio

Nenhum comentário

O Bairro Pacaembú vai muito além de um estádio. Com diversos centros culturais: Casa Modernista, Museu de Arte Brasileira, Museu Guilherme de Almeida e a Casa Buarque de Holanda, a região ainda é muito conhecido pelo Estádio Municipal Paulo Machado de Carvalho.

Como é o bairro do Pacaembú

O Bairro Pacaembú vai muito além de um estádioAntes de mais nada, é preciso dizer que passear pelo Pacaembu é uma experiência muito agradável.

Sobretudo pela tranquilidade do bairro, bem arborizado e projetado pela Cia. City,  com o que havia de mais moderno e dentro de padrões urbanísticos da época, além do conceito de “bairro jardim” para uma classe abastada.

Tombado em 1991, pôde manter boa parte da forma como foi planejado. Algo tanto quando desafiador para urbanistas da época, pois o terreno era bastante íngreme.

Segundo os registros, muita terra foi retirada em carroças, pois o loteamento estava num vale,com terras alagadiças. A propósito, esse é o significado em tupi-guarani da palavra pacaembú. Em 1922, foi necessário canalizar o riacho sob a Av. Pacaembú.

Um passeio a pé…

A princício, falando em passeio a pé (e considerando o dito popular: “para descer todo santo ajuda”), desceremos a encosta do morro. Saindo da Estação Paulista do Metrô, na Rua da Consolação, caminharemos até a Praça Cordeiro de Farias para primeira surpresa: um belvedere, como se falava, com balaustrada ainda original.

Além disso, é possível apreciar o bairro com uma vista bem privilegiada. Antes de seguir pela rua Itápolis até a rua Buri, vamos nos deparar com a casa do historiador Sergio Buarque de Holanda, pai de Chico Buarque, que também morou ali entre as décadas de 1950 e 1960.

Voltando à rua Itápolis, temos uma bela casa em que está instalado um templo Hare Krishna, onde é servido um delicioso lanche vegetariano.

Em seguida, vamos para a rua Bahia, nº 1.126, local que tangencia o Pacaembú com seu bairro vizinho, o Higienópolis, onde temos a Casa Modernista projetada por Warchavchik.

Leia também:
Higienópolis e os seus Casarões
Belenzinho e suas vilas operárias
Liberdade de muitas crenças

Seguindo na caminhada…

O Bairro Pacaembú vai muito além de um estádioPosteriormente, temos à frente, uma interessante viela com as paredes todas pintadas.

Podemos voltar à rua Itápolis e apreciar a escultura moderna que celebra o Cinquentenário do Estado de Israel, que dá o nome à praça onde está instalada.

Isso nos anima a seguir até o número 961, outra casa projetada por Warchavchik. Nela existem exposições de artistas que participaram da Semana de Arte Moderna.

Além disso, é obrigatório olhar, com carinho, o jardim com plantas tropicais brasileiras, algo inovador na época, idealizado por Mina Klabin esposa do arquiteto.

Andando um pouco mais pela mesma calçada, até chegar no número 873, vemos uma casa muito simpática e simples se comparada às outras do bairro, mas que se distingue por seus distintos moradores: D. Bertrand, tetraneto da Princesa Isabel e chefe da Casa Imperial Brasileira, e seu irmão. Eventualmente, é possível avistá-los e para os mais tietes até pedir uma fotografia.

O Estádio do Pacaembú!

Finalmente, antes de continuar a descida em direção à Praça Charles Miller, temos uma boa noção do desnível do terreno. Este foi cedido à Prefeitura para construção do estádio inaugurado em abril de 1940, e que foi o maior da América do Sul até a inauguração do Maracanã, em junho de 1950.

No terreno do estádio também há um conjunto poli-esportivo construído pelo escritório Severo & Villares (sócios de Ramos de Azevedo até seu falecimento). Algo marcante na inauguração do Estádio do Pacaembú foi a presença do presidente Vargas.

Considere um passeio com um Guia de Turismo local. Além de chamar sua atenção para o que há de mais especial, ainda sabe como usar o tempo da melhor maneira para explorar os lugares.

Enfim, um passeio pelo Bairro Pacaembú que vai muito além de um estádio só pode terminar com uma pernada de 650 metros até a charmosa Praça Vilaboim com a sua reunião pessoas que vão de estudantes a idosos moradores do bairro, que desfrutam dos bares, restaurantes e variadas lojas como livraria, farmácia e uma banca de jornal que funciona 24 horas por dia.

 

 

Tags: , , , , , , , , , , ,

Posts relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Higienopolis e Seus Casarões
Minas de Ouro em São Paulo

Posts recentes

Menu