História

O Obelisco do Ibirapuera

Nenhum comentário

Monumento fúnebre brasileiro que fica no Parque Ibirapuera é o símbolo da Revolução Constitucionalista de 1932 e o maior da cidade de São Paulo, com 72 metros de altura.

 

A Revolução Constitucionalista de 1932, também conhecida como Revolução de 32 ou Guerra Paulista, foi o movimento armado envolvendo São Paulo e os estados fronteiriços: Minas Gerais, Paraná e Rio de Janeiro, entre julho e outubro daquele ano, que tinha por objetivo convocar uma Assembleia Nacional Constituinte.

Foi esse o motivo que levou à construção, na década de 1950, o Obelisco do Parque do Ibirapuera. Um monumento mausoléu, pois no seu interior há 840 tumbas, sendo na sua maioria cinzas dos participantes da Revolução Constitucionalista de 32, além dos restos mortais dos mártires do Movimento Constitucionalista de 1932, que ficaram conhecidos como M.M.D.C. – acrônimo para representar os manifestantes paulistas Martins, Miragaia, Dráusio e Camargo, mortos por tropas federais ligadas ao Partido Popular Paulista (PPP). No Mausoléu também estão os corpos do poeta Guilherme de Almeida e do radialista Ibrahim Nobre, este último que leva o nome da praça onde está instalado o momento. Algo importante a ser citado é que eles foram mortos em 23 de maio de 1932, porém, a batalha começou em julho daquele ano, quando São Paulo proclamou independência do Brasil que não foi aceita por Getúlio Vargas. Duas importantes avenidas da cidade foram batizadas com as datas para que fiquem na memória de todos: Avenidas 9 de Julho e 23 de Maio.

 

 

 

 

 

 

 

 

Além das tumbas também, se encontram 3 altares feitos em mosaicos venezianos que fazem referências à vida de Cristo com a cidade de São Paulo. Seu arquiteto foi o ítalo-brasileiro, Galileo Emendabili, que os desenhou fazendo analogias ao número 9, data do início da Revolução e feriado estadual em São Paulo. Apesar de a altura oficial de 72 metros, medida pela área externa, se considerarmos a medição a partir do subsolo chegaremos a 81 metros (lembrando que a soma dos algarismos sempre resulta em nove: 7+2=9 e 8+1=9) de um monumento revestido com mármore travertino vindo da Itália.

Mais uma referência ao número 9 é a quantidade de degraus que descemos para entrar no obelisco, porém, para subir até o topo é necessário vencer uma escadaria que vai exigir 365 passos, um para cada dia do ano, esforço que é compensado pela vista espetacular: Av. 23 de Maio, Parque do Ibirapuera e alguns bairros ao redor, como Vila Mariana, Paraíso e Jardins.

Curiosidade: São Paulo, dentre as grandes e importantes cidades brasileiras, é a única que não homenageia o Presidente Getúlio Vargas (1882-1954) em seus logradouros, em virtude dessa revolução.

Assista um vídeo sobre o Obelisco

Quer saber mais? Livros:

  • Monteiro Filho, Mário Alves. 1932: São Paulo, a Máquina de Guerra. 2004.
  • Reginato, Antonio Fernando. Rastros da Revolução Constitucionalista. 2014.

São Paulo é uma cidade riquíssima em história e cultura. Não perca a oportunidade de visitá-la. Caso seja um morador da cidade, considere que existem detalhes relevantes e informações que não estão nos livros e nem na Internet, mas a partir das pesquisas feitas por Guias de Turismo podem ser transmitidas em passeios guiados. Aproveite!

Tags: , , , ,

Posts relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

A Ladeira dos Piques
Edifício Martinelli em São Paulo

Posts recentes

Menu