Aventura

Ecoturismo

Nenhum comentário

Para começar a falar sobre o assunto nada melhor do que explicar a definição de Ecoturismo.

Ecoturismo ou turismo ecológico é o “segmento da atividade turística que utiliza, de forma sustentável, o patrimônio natural e cultural, incentiva sua conservação e busca a formação de uma consciência ambientalista por meio da interpretação do ambiente, promovendo o bem-estar das populações”. A definição acima é dada pelo Ministério do Meio Ambiente em conjunto com o EMBRATUR – Instituto Brasileiro de Turismo e segue aquela criada pela Sociedade Internacional de Ecoturismo (TIES ou The International Ecotourism Society).

Tendo com seu principal objetivo, promover e desenvolver turismo com bases cultural e ecologicamente sustentáveis, bem como, educar e motivar pessoas através da participação e atividades a perceber a importância de áreas natural e culturalmente conservadas.

Tipos de Trilhas

 Autoguiadas = sem a necessidade de um guia especializado e monitoria

Guiadas = necessário acompanhamento de um guia especializado e monitoria

Recreativa = diversão, jogos, enduros, gincanas

Interpretativa = flora e fauna, saídas fotográficas

Travessias = grandes deslocamentos por diversos tipos de terrenos

Peregrinação ou longas caminhadas = trajetos percorridos entre bairros, municípios e até estados.

Outras definições: Hiking e Trekking

  • A prática do hiking consiste em uma caminhada ao ar livre, sem obstáculos, em uma trilha demarcada pelo homem. …
  • Já o trekking envolve esforço físico, superação. …
  • Trekking de regularidade. …
  • Trekking de velocidade. …
  • Trekking de longa distância ou travessia. …
  • Trekking de um dia.

Tipo de percurso

Grau de dificuldade e formas:

Leve. Impacto leve, trilha quase plana ou poucos obstáculos. De 1 a 4 quilômetros. Exemplos: Jardim Botânico, Trilha do Silêncio, Trilha da Vida, Trilha da Bica, Trilha dos Lagos…

Moderada. Impacto médio, maiores distâncias, maior incidência de obstáculos e desníveis. De 4 a 10 quilômetros. Exemplos: Trilha Pedra Grande Atibaia, Pico da Macela, Estrada Velha…

Pesada. Impacto intenso com muitos obstáculos, altos desníveis, grandes jornadas acima de 15 km, necessidade de uso de equipamentos extras como: cordas, cadeirinhas, bastão de caminhada, suporte ou carro de apoio em alguns casos (quando possível). Exemplos – Trilha Cachoeira do Elefante, Agulhas Negras, Saco Bravo, Peregrinações…

Claro que uma trilha de 1 quilômetro pode ser mais difícil que uma de 10. Avalie o trajeto e os obstáculos de cada tipo de terreno para ter uma definição.

O tipo de mata pode dificultar uma trilha. Regiões como: Cerrado, Campo Cerrado, Floresta Atlântica, Amazônica, Campos de Altitude, tudo isso pode facilitar ou dificultar o desempenho da trilha.

 

 

 

 

 

Montagem de roteiros

 Para montar um bom roteiro você deve ter em mente perguntas bem básicas:

Quando ir? (baixa ou alta temporada, temperaturas altas ou baixas, incidências de chuvas…)

Quantas horas ou dias preciso para fazer essa trilha, caminhada ou travessia? (Essa é uma questão que não pode ser dispensada, com ela você terá como prever o que levar, quanto de esforço irá fazer, qual alimentação deve levar na mochila)

Qual é o nível do trajeto? (Avalie as subidas e descidas do trajeto, e por quais locais que você irá visitar, cachoeira, cânion, rios, encostas…)

Quem pode fazer? Essa pergunta é fundamental para o aventureiro, antes de tudo ele deve avaliar suas condições de saúde, então mantenha sua consulta médica em dia, faça exames que avaliem suas condições físicas e exercite-se sempre para fortalecer seu desempenho e musculatura.

Como fazer? Leve o básico se sua trilha é um bate-volta, água, lanche, protetor solar, bonés, roupas leves ou se é travessia ou acampamento, some aos itens acima, barraca, fogareiro, isolante térmico, sacos de dormir, troca de roupas e uma alimentação que lhe dê mais sustento.

Outras perguntas que são fundamentais são:

Quanto custa? (Avalie todos os gastos, transportes, entradas, guias, pousadas, alimentação)

O que devo levar na mochila? (Todos os itens acima, um kit de emergências – primeiros socorros, pilhas ou baterias reservas)

Para não ter erro, contrate um guia experiente para auxilia-lo na montagem do seu roteiro, programação, hospedagem e trajeto. Além disso ele é a pessoa mais indicada para lhe dar informações, compartilhar contos, causos e curiosidades da região.

Equipamentos básicos para acampamentos

 – Barraca – fogareiro – kit de gás – kit de talheres – mochila cargueira – isolante térmico – saco de dormir – bastão de caminhada.

 Roupas

Para iniciantes é sempre bom perguntar para um amigo mais experiente o que deve ou não levar, ou o quê vestir se tiver alguma dúvida.

– Avalie o clima: chuvoso, frio, calor, possibilidades de chuvas e o tipo de trilha que irá percorrer. Isso irá ajudá-lo a organizar sua vestimenta.

Trilhas leves: pode ser um calçado simples, shorts, camiseta e bonés

Trilhas moderadas: botas, calça de trilha com zíper para virar uma bermuda, camiseta manga curta ou comprida se desejar mais proteção a exposição solar, preferencialmente roupas sintéticas para evitar acumulo de suor e por ser de fácil secagem.

Trilhas pesadas: todas as informações das trilhas moderadas acima.

Acima de tudo escolha roupas que não limitem seus movimentos.

Calçado: preferencialmente antiderrapante.

Mochilas: existe um tipo de mochila para cada tipo de trilha, essa questão é bem variável dependendo da trilha que será feita e da quantidade de coisas para realizá-la.

Mochilas pequenas para trilhas de um dia (bate-volta).

Mochilas cargueiras para travessias e acampamentos (mais de um dia de trilha).

Dependendo do trajeto, leve sempre uma troca de roupas, toalha, kit de primeiros socorros, produtos de higiene pessoal, remédio de uso próprio, repelentes, protetor solar, algum dinheiro trocado para pequenas emergências.

Nunca use um tênis ou bota nova em qualquer tipo de trilha isso pode danificar seus pés e estragar sua diversão.

Vale lembrar

Cuidado com a escolha do local. O contato com a natureza merece atenção!

  • Animais e insetos peçonhentos são comuns em qualquer tipo de mata ou terrenos;
  • Respeite os limites de segurança e o ambiente que você está.
  • Evite fazer fogueiras, uso de bebidas alcoólicas e drogas.

Faça uma aventura segura! Jamais se aventure sozinho (a), contrate um guia experiente, além da segurança ele poderá levá-lo (a) a lugares diferentes, contar histórias locais para enriquecer ainda mais sua experiência.

Sites e Links interessantes:

Tags: , , , ,

Posts relacionados

Você precisa fazer o login para publicar um comentário.
Parque da Cantareira – Núcleo Cabuçu – Guarulhos

Posts recentes

Menu